Excesso? O debate sobre o nível das reservas internacionais no Brasil

Abstract

Since the late 1990s, peripheral countries have accumulated international reserves in response to the successive exchange rate crises of this period. Since then, keeping stocks of reserves has become a strategy for managing the foreign exchange policy of these economies, especially since the global financial crisis of 2008, when there was an accelerated increase in foreign assets in peripheral countries, made possible by the improvement in the terms of exchanges and low international interest rates. In Brazil, international reserves increased from US$ 36,3 billion in 1999, to US$ 206,8 billion in 2008 and US$ 345,7 billion in 2020. However, the accumulation of international reserves has the counterpart of generating costs associated with its maintenance, giving rise to the debate about an optimal level of reserves for Brazil. More recently, the deterioration of fiscal indicators in Brazil prompted a debate about alternative uses for excess reserves, with emphasis on proposals to use it to reduce the public debt or to finance public investment. This article aims to contribute to this debate, arguing that the full level of international reserves should be preserved.

Downloads

Download data is not yet available.

References

Aizenman, J., & Lee, J. (2008), Financial versus monetary mercantilism: Long-run view of large international reserves hoarding. World Economy, 31(5), 593-611. doi: https://doi.org/10.1111/j.1467-9701.2008.01095.x

Bacha, E. (2020, janeiro 12), Pau nas reservas? Que má ideia. Jornal O Globo, Caderno Opinião. Recuperado a partir de https://oglobo.globo.com/opiniao/pau-nasreservas- que-ma-ideia-18452365

Banco Central do Brasil. Sistema Gerenciador de Séries Temporais. Recuperado a partir de https://www3.bcb.gov.br/sgspub/localizarseries/localizarSeries.do?method=prepararTelaLocalizarSeries.

Banco Central do Brasil. (2016), Relatório anual do Banco Central do Brasil. Recuperado a partir de https://www.bcb.gov.br/htms/novaPaginaSPB/Relat%C3%B3rio%20Anual%20do%20STR%20%202016.pf.

Banco Central do Brasil (2021), Relatório de gestão das reservas internacionais. Recuperado a partir de https://www.bcb.gov.br/estabilidadefinanceira/relgestaoreservas

Barbosa-Filho, N. (2015), O desafio macroeconômico de 2015-2018. Revista de Economia Política, 35(3), p. 403-425. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0101-31572015v35n03a02

Barbosa-Filho, N. (2018), Composição dos juros líquidos pagos pelo setor público no Brasil: 2002-2017. Revista de Economia Política, 38(3), p. 548-558. doi https://doi.org/10.1590/0101-35172018-2882

Bastos, C., Rodrigues, R., & Lara, F. M. (2015). As finanças públicas e o impacto fiscal entre 2003 e 2012: 10 anos de governo do Partido dos Trabalhadores. Ensaios FEE, 36(3), p. 675-706.

Belluzzo, L. G., & Almeida, J. G. (2002). Depois da queda: A economia brasileira da crise da dívida aos impasses do real. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Brasil (2016), Emenda Constitucional nº 95, de 15 de dezembro de 2016. Altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o Novo Regime Fiscal, e dá outras providências. Brasília: Casa Civil. Recuperado a partir de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc/emc95.htm

Brasil (2021), Nova Previdência. Recuperado a partir de http://www.brasil.gov.br/novaprevidencia/#novas-regras

Bresser-Pereira, L. C. (2009), A tendência à sobreapreciação da taxa de câmbio. Econômica, 11(1), p. 7-30. doi: https://doi.org/10.22409/economica.11i1.p93

Carcanholo, M. (2010), Inserção externa e vulnerabilidade da economia brasileira no governo Lula. In Magalhaes et al. (Orgs.), Os anos Lula – contribuições para um balanço crítico: 2003-2010 (Cap. 4, pp. 109-132). Rio de Janeiro: Garamond.

Carneiro, R. (2002), Desenvolvimento em crise: A economia brasileira no último quarto do século XX. São Paulo: Unesp.

Carneiro, R. (2020, 10 setembro), Reservas internacionais e financiamento do investimento. Jornal Le Monde Diplomatique Brasil. Caderno Observatório da Economia Contemporânea, São Paulo. Recuperado a partir de

https://diplomatique.org.br/reservas-internacionais-e-financiamentodoinvestimento/

Carneiro, R., & Mello, G. (2017, 18 março), As reservas internacionais e os mitos da ortodoxia. Jornal GGN o Jornal de Todos os Brasis, São Paulo. Recuperado a partir de https://jornalggn.com.br/noticia/as-reservas- internacionais-e-osmitos-da-ortodoxia-por-ricardo-carneiro-e-guilherme-mello.

Casal Junior, M. (2017, 20 abril), O colchão do crescimento: como as reservas cambiais do Brasil podem ser usadas para sustentar a recuperação da economia. Carta Capital, São Paulo. Recuperado a partir de

https://www.cartacapital.com.br/economia/o-colchao-do-crescimento

Cavalcanti, M., & Vonbum, C. (2007), Reservas internacionais ótimas para o Brasil: Uma análise simples de custo-benefício para o período 1999-2007. Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.

Currency Composition of Official Foreign Exchange Reserves. IMF data. Recuperado a partir de http://data.imf.org/?sk=E6A5F467-C14B-4AA8-9F6D-5A09EC4E62A4

Chachamovitz, S. (2016), Reservas internacionais: seguro ou ameaça? In Bacha, E. (Org.), A crise fiscal e monetária brasileira (Cap. 17). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Chesnais, F. (1996), A mundialização do capital. São Paulo: Xamã.

De Conti, B., Prates, D., & Plihon, D. (2014), A hierarquia monetária e suas implicações para as taxas de câmbio e de juros e a política econômica dos países periféricos. Economia e Sociedade, 23(2), p. 341-372. doi: https://doi.org/10.1590/S0104-06182014000200003

Dweck, E., & Teixeira, R. (2018), Os impactos da regra fiscal em um contexto de desaceleração econômica. In Carneiro, R.; Baltar, P.; Sarti, F. (Orgs.), Para além da política econômica. São Paulo: Editora Unesp Digital.

Ferreira; C. K. L. (2016), A dinâmica da dívida bruta e a relação Tesouro-Banco Central. In Bacha, E. (Org.) A crise fiscal e monetária brasileira (Cap. 12). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Fundo Monetário Internacional. World economic outlook database. Recuperado a partir de https://www.imf.org/external/pubs/ft/weo/2016/01/weodata/weoselgr.aspx

Fundo Monetário Internacional (2000), Debt- and reserve- related indicators of external vulnerability. Recuperado a partir de https://www.imf.org/external/np/pdr/debtres/

Fundo Monetário Internacional (2010), reserve accumulation and international monetary Stability. Police Paper, 35, p. 1-35. Recuperado a partir de https://www.elibrary.imf.org/view/journals/007/2010/035/article-A001-

en.xml. doi: https://doi.org/10.5089/9781498337557.007

Garcia, M. (2018, 30 novembro), Reservas cambiais. Jornal Valor Econômico. Caderno de Opinião, São Paulo. Recuperado a partir de https://valor.globo.com/opiniao/coluna/reservas-cambiais.ghtml

Gentil, D. L., Araujo, V. L. (2012), Dívida pública e passivo externo: onde está a ameaça? Texto para Discussão, Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada, 1768, p. 1- 34. Recuperado a partir de http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/1079/1/TD_1768.pdf

Gentil, D. L., & Hermann, J. (2017), A política fiscal do primeiro governo Dilma Rousseff: ortodoxia e retrocesso. Economia e Sociedade, 26(3), p. 793-816. doi: https://doi.org/10.1590/1982-3533.2017v26n3art9

Ghosh, A. R., Ostry, J. D., & Qureshi, M. S. (2014). Exchange rate management and crisis susceptibility: A Reassessment. International Monetary Fund Work Paper, 14(11), p. 1-46.

Giambiagi, F. (2008), 18 anos de política fiscal no Brasil: 1991/2008. Economia Aplicada, 12(4), p. 535-580. doi: https://doi.org/10.1590/S1413-80502008000400002

Gobetti, S. W., & Schenttini, B. P. (2014), Dívida líquida e dívida bruta: uma abordagem integrada para analisar a trajetória e o custo do endividamento brasileiro. In Santos, C. H.; Gouvêa, R. R. (Orgs.), Finanças públicas e macroeconomia no Brasil: um registro da reflexão do Ipea (2008-2014) (Cap. 13, p. 533-592). Brasília: Ipea.

Goldfajn, I. (2017), Comitê de política cambial para as reservas do Banco Central: uma proposta. Instituto de Estudos de Política, Rio de Janeiro. Recuperado a partir de http://iepecdg.com.br/wpcontent/uploads/2016/04/160419Cap_Ilan.pdf

Gollo, R., & Triches, D. (2013), Análise do nível de reservas internacionais dos países emergentes de 2000 a 2010. Revista em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, 16(16), p. 3200 -3212. doi: http://dx.doi.org/10.5902/2236117010413

Gottlieb, J. (2018, 16 novembro), A contribution to the debate on international reserves. Macro Vision, Rio de Janeiro. Recuperado a partir de https://www.itau.com.br/_arquivosestaticos/itauBBA/contents/common/docs/

_MACROVISION_InternationalReserves.pdf

Heller, R. (1966), Optimal international reserves. The Economic Journal, 76, p. 296-311. doi: http://dx.doi.org/10.2307/2229716

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (2009), Evolução recente e perspectivas futuras das finanças públicas brasileiras: o comportamento do investimento público em contexto de crise. In Brasil em desenvolvimento: estado, planejamento e políticas públicas. Brasília: Ipea.

Jeanne, O., & Rancière, R. (2006), The optimal level of international reserves for emerging market countries: Formulas and applications. International Monetary Fund Working Paper, 06(229), p. 1-35.

Jeanne, O., & Rancière, R. (2011), The optimal Level of International Reserves for Emerging Market Countries: a new formula and some applications. The Economic Journal, 121(555), p.905–930. doi: https://doi.org/10.1111/j.1468-0297.2011.02435.x

Kaminsky, G.; Reinhart, C. (1999), The twin crises: the causes of banking and balance of payments problems. American Economic Review, 89(3), p. 473-500. doi: https://doi.org/10.1257/aer.89.3.473

Laan, C., Cunha, A., & Lélis, M. (2012), A estratégia de acumulação de reservas no Brasil no período 1995-2008: Uma avaliação crítica. Economia e Sociedade, 1 (21), p. 1-38. doi: https://doi.org/10.1590/S0104-06182012000100001

Macalós, J. P. S. (2020), Accounting for foreign exchange operations and its implications for monetary policy implementation: international experience and the case of Brazil, Brazilian Keynesian Review, 6(1), 100-140. doi:

https://doi.org/10.33834/bkr.v6i1.169

Oliveira, C. R. (2019), Retomada do investimento público no Brasil e uso das reservas internacionais: uma contribuição ao debate (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal Fluminense, Programa de Pós-Graduação em Economia, Niterói/Rio de Janeiro.

Pellegrini, J. (2017), Reservas internacionais: nível adequado, custo fiscal de carregamento e uso no resgate da dívida pública. XXII Prêmio Tesouro Nacional. Recuperado a partir de file:///C:/Users/User/Downloads/1o-lugarjosue-alfredo-pellegrini-021.pdf.

Pellegrini, J. (2019, 39 outubro), Custo de carregamento e nível adequado das reservas internacionais. Instituto Fiscal Independente, Nota Técnica n. 39, Brasília. Recuperado a partir de https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/563834/NT39_Custo_carregamento_nivel_reservas_internacionais.pdf.

Pelliser, C., Cunha, A., & Lélis, M. (2017), Reservas internacionais em tempos de instabilidade financeira: Uma avaliação empírica para o caso do Brasil. Revista Indicadores Econômicos FEE, 44(3), p. 27-46.

Partido dos Trabalhadores. Plano de Governo (2019-2022), Disponível em: https://pt.org.br/wp-content/uploads/2018/08/plano-de-governo_haddad-13pdf.pdf.

Prates, D. (2002), Crises financeiras nos países emergentes: Uma interpretação heterodoxa. (Tese de Doutorado). Universidade Estadual de Campinas, Programa de Pós-Graduação em Economia, Campinas.

Prates, D. (2015), O regime de câmbio flutuante no Brasil: 1999-2012: especificidades e dilemas. Brasília: Ipea.

Prates, D., Cagnin, R. F., Freitas, M. C. P., & Novais, L. F. (2014), Balanço do regime de política macroeconômica no primeiro biênio do governo Dilma. In Novais, L. F.; Cagnin, R. F., & Biasoto Jr., G. (Orgs.), A economia brasileira no contexto da crise global. São Paulo: FUNDAP.

Ribeiro, F. (2016), Reavaliando a vulnerabilidade externa da economia brasileira. Texto para Discussão, Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada. 2247, p.1-54. Recuperado a partir de http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/7297/1/td_2247.pdf

Rodrik, D. (2006), The social cost of foreign exchange reserves. International Economic Journal, 20(3), p. 253-266. doi: https://doi.org/10.1080/10168730600879331

Salomão, J. (2008), Nível ótimo de reservas internacionais para economias emergentes. (Dissertação de Mestrado). Pontifica Universidade Católica do Rio de Janeiro, Programa de Pós-Graduação do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Secretaria do Tesouro Nacional (2019), Relatório anual do Tesouro Nacional: Relacionamento entre o Tesouro Nacional e o Banco Central. Brasília: Tesouro Nacional. Recuperado a partir de

https://www.tesourotransparente.gov.br/publicacoes/relacionamento-entre-otesouro-nacional-e-obancocentral/2019/30

Serrano, F., & Pimentel, K. (2017), Será que “acabou o dinheiro”? Financiamento do gasto público e taxas de juros num país de moeda soberana. Revista de Economia Contemporânea, Rio de Janeiro, 2(21), p. 1-29. doi:

https://doi.org/10.1590/198055272123

Silva, A. D. B. M., & Medeiros, O. L. (2009), Conceitos e estatísticas da dívida pública. In Silva, A. C., Carvalho, L. O., & Medeiros, O. L. (Orgs.). Dívida Pública: a experiência brasileira (Cap. 4, pp. 101-128). Brasília: Banco Mundial.

Vonbum, C. (2013), Reservas internacionais revisitadas: novas estimativas de patamares ótimos. Texto para Discussão, Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada, 1885, p. 1-45. Recuperado a partir de http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/2000/1/TD_1885.pdf.

Wray, R. (2003), Trabalho e moeda hoje: a chave para o pleno emprego e estabilidade de preços. Rio de Janeiro: Contraponto.

Published
2021-12-07
How to Cite
Rodrigues de Oliveira, C., & Leonardo de Araujo , V. . (2021). Excesso? O debate sobre o nível das reservas internacionais no Brasil. Brazilian Keynesian Review, 7(1), 107-154. https://doi.org/10.33834/bkr.v7i1.245
Section
Articles